No mundo são tantos homens denominados Joãos… Josés… e quanto aos Manés nem se fala! Tantas Marias… tantas Genovevas… tantas Iaponiras…No final todo mundo quer ser visto, todo mundo quer ser notado, todo mundo quer estar nas notas, todo mundo que aparecer de alguma forma. Pois é, minha gente, meus queridos leitores, hoje, refletindo sobre a vida, sobre mim, sobre o mundo, sobre o homem, acabei percebendo, entre tantos denominados,  quantos anônimos existem no mundo.

Lembro-me de uma vez, que estava na escola, quando ainda fazia o ensino médio, e uma certa situação se formou: a diretora da escola entrou na sala de aula e deu uma lição de moral nos alunos. Todos os alunos ficaram perplexos e no meio de toda essa perplexidade um dos meninos que sentava no “fundão” levantou a mão e disse:

“É, mas isso que você está falandonão dá o direito de Seu Anaxágoras – falar que nós somos animais.  “

O que eu fiz, se olharmos pelo lado pejorativo, foi muito feio, -arrependo-me até hoje- mas se olharmos pelo lado natural ou físico  veremos que realmente todos nós somos animais . O fato é que realmente os meus colegas não se comportavam de uma forma muito adequada ao ambiente que estavam, eram ligeiramente mal comportados- colocavam os birôs fora da sala e subiam em cima empurrando-os pelos corredores. Era uma visão angelical, parecia com as procissões da igreja com a imagem da Virgem Maria em sua plena candura.

Muitos de meus colegas me hostilizavam, falavam que eu queria ser melhor que todo mundo -até hoje alguns falam isso- entretanto isso não era o que eu pensava, mas o que eles pensavam e não tinha coragem de assumir ou serem como eu, ou até mesmo serem “melhores”. Na verdade tudo o que eu  não era, e eles não conseguiam deixam de ser, era ser um ser anônimo.  O verdadeiro anônimo não é aquele que não aparece na TV, não é conhecido por todos da cidade ou qualquer outra forma de se tornar “conhecido”. O verdadeiro anônimo é aquele que não se conhece, e assim acaba se tornando mais uma cópia, acreditando que é popular simplesmente pelo fato de outras cópias terem o aceitado.

Outro exemlo:

Um dia desses, indo para a Universidade, no “super ônibus” do estudante aqui de Ceará-Mirim, tentei ler um texto super interessante sobre assiriologia e não pude ,por causa de uns “estudantes” que ficavam fazendo barulho dentro no ônibus -comportando-se como os meus colegas do ensino médio-.  Nessa minha viagem, além de não caber entre os bancos do ônibus, tive que cheirar pum dos meninos que estavam nos bancos de trás, ouvir gritos estrondosos e ver e ouvi-los fazendo zombaria com as músicas do caboclinhos aqui da cidade, que são os únicos caboclinhos originais do mundo todo. É aí que percebemos o que a ignorância pode fazer com as pessoas.

Para concluir este texto, gostaria apenas de definir o que é um homem anônimo ou uma mulher anônima.

O homem anônimo é:

1- Aquele que na infância fala que pegava todas as meninas da escola -isso sem nem saber ainda o que era o sexo oposto- para o pai ficar orgulhoso – o pai era outro homem anônimo-.

2- Na adolescência fala que não pode ver mulher que fica louco. -mesmo brincando de esconder com seus coleguinhas nos banheiros e vestuários- Tudo isso para mostrar para os amigos -outros homens anônimos- que também e “macho” – nesse tipo de homem o sexo não é definido na gestação-.

3- Quando se torna adulto precisa beber, ter o buxo grande, levar vantagem em todo tipo de negócio e trair a mulher. “Homem que é homem tem doença venérea que pegou de prostituta!”

A mulher anônima é:

1- Aquela que na infância tinha todas as Barbies, todas as sandálias que apareciam no comercial e humilhavam as coleguinhas que não tinham

2- Na adolescência eram as primeiras a: usar soutien; arrumarem namorado; tirarem as piores notas; falarem mal das “amigas”; humilharem as colegas “nerds”

e colarem delas nas provas.

3- quando se torna adulta precisa ter todos os calçados  e roupas possíveis e impossíveis, arrumarem um namorado rico e bonito, -por mais que traiam elas com rapazes que limpam para brisa em semáforo- e sempre saber o que está na moda – embora normalmente nunca tenham dinheiro para comprar, já que apesar de toda a banca trabalham com frequência como recepcionistas ou em callcenters.

obs.:Para o homem anônimo, ou para a mulher anônima -seres que normalmente são muito intelectualizados- existem 3 tipos de sexo:

O macho, que só é macho quando atende aos pré-requisitos do homem anônimo;

A fêmea, que só é fêmea depois de atender aos pré-requisitos da mulher anônima;

O Meio a meio -bicha, sapatão, fresco, bulachera, baitola…- que é tudo aquilo que o homem anônimo, ou a mulher anônima, não conseguiram ser.

Anúncios